terça-feira, 13 de março de 2012

O QUE É NUTRIÇAO ENTERAL E SEUS TIPOS

Dieta Enteral
O que é
É quando a dieta é fornecida ao paciente na forma líquida, por meio de uma sonda que é colocada no nariz ou na boca, até o estômago ou intestino.
Cuidados: A sonda é presa à parede do abdômen, fixada com fita adesiva hipoalergênica, para evitar trações e deslocamentos indesejáveis. Em caso de deslocamento, vazamento ao redor da sonda ou dor no momento da administração da dieta, deve-se interromper a infusão e acompanhar o seu médico ou equipe que o acompanha.
Posso passar outros líquidos pela sonda?
 Não se deve passar nada pela sonda sem a autorização do nutricionista. Seguir as orientações quanto ao volume de água para hidratação, chá ou suco sem açúcar, que deve ser administrado no intervalo entre as dietas, com seringa ou num frasco com equipo, com Oe mesmos cuidados que a dieta. Utilizar sempre água filtrada e fervida, na temperatura ambiente. Evitar chá preto, chá mate, chá verde, vermelho ou branco, que contém cafeína.
Vias de Administração
*Intermitente: É o método mais utilizável. Utiliza à força da gravidade, a sonda pode estar localizada no estômago, no jejuno, ou no duodeno. Pode ser administrada solução de até 500 ml a cada 3 a 6 horas. Ela se divide em Bolus e gravitacional.
*“bolus”: É o método preferível, porque leva menos tempo e garante mais liberdade ao paciente. Não requer a utilização de bomba de infusão. A solução pode ser administrada através de um a seringa de 100 350 ml, no estômago a cada 2 a 6 horas.
Procedimento: aspirar à dieta com a seringa; conectar a seringa na sonda. Lentamente, empurrar o êmbolo da seringa, para que aos poucos a dieta seja infundida. Não ultrapassar 20 mL por minuto.
Após a administração de cada etapa da dieta enteral, aspirar 20 mL de água com a seringa e injetar na sonda para lavá-la.
*Gravitacional: Administração da dieta em frasco por gotejamento, suspenso em suporte. Permite uma utilização mais lenta que o bolus e muitas vezes é melhor tolerada.
Procedimento: conectar o equipo ao frasco plástico descartável ou diretamente no frasco da dieta (se for o sistema fechado). A pinça do equipo deve estar fechada. Suspender o frasco pelo menos 60 cm acima da cabeça do paciente. Abrir a pinça para permitir que o líquido escorra até o outro extremo do equipo, fechar a pinça, conectar o extremo do equipo na sonda e regular a velocidade de administração com o equipo.

*Contínua: É o método mais oneroso, pois requer a utilização de bomba de infusão. Pode ser administrada no estômago, no jejuno e no duodeno. O volume da solução é administrado a cada 12 ou 24 horas (50 a 150 ml/hora).
Procedimento: conectar o equipo da bomba com a pinça fechada ao frasco da dieta enteral. Suspender o frasco pelo menos 60 cm acima da cabeça do paciente. Abrir a pinça para permitir que a dieta corra até o outro extremo do equipo. Fechar a pinça. Colocar o equipo na bomba de infusão e seguir as instruções corretas de cada bomba. Conectar o extremo do equipo à sonda e regular a velocidade de administração da dieta enteral. Abrir a pinça do equipo e iniciar a infusão.

Indicações:

A nutrição enteral está indicada, basicamente, todas as vezes que o paciente não pode comer, não deve, não consegue ou o faz de maneira insuficiente. Também é utilizada para corrigir distúrbios metabólicos.

Contra- Indicações:
Obstrução intestinal completa, fístula digestiva de alto débito (> 500 ml), instabilidade hemodinâmica, incapacidade completa de absorção, dor pós-prandial intensa, vômitos, diarréia grave (perdas > 1500 ml/dia), síndrome do intestino curto.



Conservação:
A conservação da nutrição enteral deve fornecer condições apropriadas de higiene e temperatura para garantir a estabilidade físico-química e padrão microbiológico da dieta. Dessa maneira, a dieta industrializada deve ser rotulada e conferida, devendo ser conservada sob refrigeração, em geladeira, com temperatura de 2°C a 8°C.
Sobras:
O sistema fechado pode ser armazenado em temperatura ambiente, seguindo data de validade indicada pelo fabricante. Após abertura do frasco, o prazo de validade é de 24 a 48 horas, mas também deverá seguir a recomendação do fabricante quanto à refrigeração.
Tipos de dietas Enterais
Industrializadas

Dieta composta por nutrientes na sua forma sintética ou não, onde os mesmos são adicionados em proporções corretas de acordo com as necessidades nutricionais do paciente. É uma dieta completa e balanceada que podem ser encontradas na forma líquida ou em pó.
Divisão das dietas industrializadas:

*Sistema aberto: É uma dieta em pó, e há necessidade da adição de água.
Verificar data de validade, higienizar a embalagem da dieta com água, sabão e álcool 70%. Agitar o produto antes do envase.

*Sistema fechado: É a dieta líquida, pronta, estéril.
Em embalagens de dietas líquidas e sistema fechado verificar data de validade e agitar o produto antes de utilizá-lo.

Indicações: São indicadas para nutrição enteral e parenteral.

Contra- Indicações: Apesar de ser a mais segura microbiologicamente, devido ao seu alto custo, nem todos os pacientes conseguem adquiri-la, tendo que utilizar à artesanal.

                                                         Dieta Artesanal
O que é
Dieta preparada à base de alimentos na sua forma original (in natura) que deverá ser cozida, liquidificada e coada garantindo assim uma viscosidade e consistência adequadas para fácil introdução através de sondas. Pode ser adicionada de suplementos nutricionais industrializados.
Cuidados:
Caso exista opção de se utilizar dieta enteral caseira/artesanal, lave bem os alimentos com água corrente, prepare conforme orientações prescritas.

Indicações:
-Quando o paciente possui a capacidade de digestão e absorção dos nutrientes;
 -Situação clínica estável;
-Situação econômica.
Contra- Indicações: Contaminação microbiológica.
Conservação:
A dieta Artesanal deve ser utilizada imediatamente após sua manipulação. Essa dieta tem um menor custo, porém requer um maior cuidado na manipulação e higienização dos alimentos. Esse tipo de dieta tem validade de até 24 horas após o seu preparo, se conservada adequadamente, em geladeira.

Sobras:
 As sobras das dietas artesanais devem ser desprezadas.

Complicações da Nutrição Enteral

·         Gastrintestinais:
·         Desconforto,
·         Distensão e cólica abdominal,
·         Náuseas e vômitos,
·         Diarréia / obstipação,
·         Estase gástrica,
·         Refluxo gastroesofágico.

Metabólicas:
·         Hiperidratação / Desidratação
·         Distúrbios hidroeletrolíticos
·         Hiperglicemia / Hipoglicemia
·         Alterações da função hepática

Infecciosas:
·         Gastroenterocolites (contaminação microbiana)

Mecânicas:

·         Erosão da mucosa nasal
·         Irritação nasofaríngea
·         Otite, sinusite, faringite
·         Esofagite
·         Obstrução da sonda
·         Deslocamento da sonda

Respiratórias:
·         Aspiração pulmonar

Psicológicas:
·         Ansiedade
·         Depressão
·         Falta de estímulo ao paladar
·         Monotonia alimentar
·         Insociabilidade
·         Inatividade

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário